jusbrasil.com.br
17 de Dezembro de 2017

O início de tudo: Silva Froes Advogados

Rodrigo Silva Froes, Advogado
Publicado por Rodrigo Silva Froes
há 6 meses

Sobre Silva Froes Advogados

Olá amigos!

Você está procurando por algo inovador, inusitado, que faça prosperar o seu negócio? Eu também procuro por algo inovador, inusitado, na verdade eu procuro por algo disruptivo, que responda às novas demandas da sociedade.

Mas o que isto tem haver com advocacia?

Na visão de um advogado, tem tudo haver, principalmente numa era em que a propriedade estar perdendo lugar para a conectividade. Quero dizer que (assim como disse Dora Kaufam inEconomia criativa, Um conjunto de visões, Fundação Telefônica, 2012) os bens materiais estão perdendo importância para a conectividade. Na “Era do Acesso” (Jeremy Rifkin), os bens materiais não perdem de todo sua importância, mas estar conectado é preponderante; o recurso essencial é estar conectado e o acesso à informação e a produção de conhecimento não é algo trivial.

Mas você pergunta: poderia me explicar o que isto tem haver com advocacia, Direito, com estruturas jurídicas?

Lendo um artigo, me recordo do autor ter dito, que num Smartphone, a proporção de valores entre hardware e software é de 15% para 85%. Num Iphone de R$1.000,00 (por exemplo), R$150,00 corresponde ao aspecto físico (hardware) e R$850,00 corresponde aos processos e programas (software). Veja que o valor que o produto carrega consigo estar muito mais relacionado aos processos e programas do que à parte física.

Dai me veio um lampejo, um insight, e me perguntei: o que é a advocacia? Advocacia envolve processos, estruturas jurídicas, programas, e compreende a parte intangível do seu negócio. Passei a pesquisar, observar as empresas e empresários, e descobri que as empresas que mais prosperavam eram as mais bem organizadas juridicamente.

Estou convicto em dizer que um empresário não vai muito longe no seu negócio sem boas configurações jurídicas, e soma-se a isto mindset, planejamento estratégico e competências, é claro. Eu quero dizer que as configurações jurídicas, como processos e programas, devem estar muito bem organizadas no âmbito de sua empresa.

Para os profissionais liberais e para as pessoas físicas, eu digo o mesmo!

Se as estruturas jurídicas fazem parte do aspecto intangível do seu negócio, o planejamento jurídico tornar-se indispensável, e eu não estou falando para grandes empresas, estou falando para empresários de pequeno porte. Por exemplo, o tipo societário deve estar alinhado com sua visão de empresário. Se você precisa de reunir capital, dividir custos, compartilhar ideais, unir esforços, melhor dizendo, se você não dá conta de seu modelo de negócio sozinho, então deve procurar por sócios. Contudo, se dá conta de seu negócio sozinho, o tipo empresário individual (ou EIRELI) é uma boa opção, buscando apenas parceiros e uma boa equipe para desenvolver suas atividades.

Veja antes se você quer ter sócios ou se quer ser dono de seu negócio sozinho.

Mas se vai constituir uma sociedade empresária, vem um segundo momento: qual tipo societário devo escolher? No Brasil, quase que no automático, as pessoas escolhem a sociedade limitada (LTDA), é claro, pelas vantagens práticas que oferece. Mas se o foco está na atividade econômica, nas atividades produtivas e menos nas pessoas dos sócios, o melhor tipo é uma S/A, apesar de suas complexidades e do custo operacional mais elevado.

Não vejo problemas de um empresário individual ter um grande negócio, que pode até chegar a níveis internacionais; o modelo societário vai depender de sua visão e perfil.

A captação de investimentos externos, a responsabilidade civil e tributária, a responsabilidade pessoal dos sócios/empresário pelas dívidas da empresa, tudo isto varia a depender do tipo societário escolhido.

E depois que o modelo de negócio é implementado, vem a parte operacional, que é realizada por meio de contratos: a relação da empresa com os fornecedores, a relação da empresa com os consumidores, a relação com seus empregados, e se estamos falando de uma sociedade empresária, não podemos esquecer da relação dos sócios entre si.

Falo também para os profissionais liberais e pessoas físicas, quem matêm relações negociais a todo tempo!

Uau! Diante disso, o meu propósito ficou claro para mim: minha missão a partir de agora seria facilitar o acesso do empresário, profissionais liberais, e pessoas físicas, aos processos e programas jurídicos, tendo em vista o valor destes [processos e programas], que se bem organizados, podem ser decisivos para o sucesso do negócio.

Você já ouviu falar que um empregado não registrado (CTPS) pode “quebrar” uma pequena empresa com um processo trabalhista? Já ouviu falar numa sociedade que fechou as portas por falta de entendimento entre os sócios? Já ouviu falar numa empresa que teve sua reputação rebaixada na internet por falhas na relação com os consumidores?

Então! O blog Silva Froes Advogados surgiu para evitar falhas nos processos e programas jurídicos, de modo a contribuir e fomentar a produção organizada e eficiente. Se a partir de configurações e estruturas jurídicas eu puder contribuir para a prosperidade do seu negócio, então estarei cumprindo minha missão!

Nos vemos semanalmente por aqui!

Rodrigo Silva Froes – sócio fundador

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)